quarta-feira, 19 de março de 2014

Meu Corpo a Procurar-te


Meu Corpo a Procurar-te

 

Procura-te o meu corpo numa sede sem fim

Abraça-me a lua em enorme solidão

Que sente e não diz o que vai no coração

Mas pra meu consolo se ilumina pra mim

 

Eu sei que o desejo é um fértil anseio

Não tendo de ti nem um sinal de amor

Eu tento sozinha manter o calor

Que abrasa em chama meu corpo, meu seio

 

Sem esperança de um dia ter-te nos meus braços

Continuo sonhando, seguindo os teus passos

E sempre terei da noite a cobertura

 

Cúmplice de meus gestos, ignora embaraços

Sem nada poder para estreitar nossos laços

Levarei este amor para a minha sepultura.
M
aria Melo

 

1 comentário:

António Jesus Batalha disse...

Estou alegre por encontrar blogs como o seu, ao ler algumas coisas,
reparei que tem aqui um bom blog, feito com carinho,
Posso dizer que gostei do que li e desde já quero dar-lhe os parabéns,
decerto que virei aqui mais vezes.
Sou António Batalha.
Que lhe deseja muitas felicidade e saúde em toda a sua casa.
PS.Se desejar visite O Peregrino E Servo, e se o desejar
siga, mas só se gostar, eu vou retribuir seguindo também o seu.